Quando a terapia de casal deve ser buscada?

As pessoas se casam hoje com uma idéia diferente do que acontecia antigamente. A tradicional idéia do “até que a morte os separe” foi substituída pelo “eterno enquanto dure”. Essa mudança de pensamento tornou mais frágil o elo que une o casal. O aspecto positivo desse comportamento é que as pessoas não se limitam mais a viverem infelizes, sofrendo – até muitas vezes abusos e maus-tratos – ao lado de alguém só porque fez uma jura eterna de que assim seria. Elas buscam a própria felicidade e o bem-estar em relações saudáveis e satisfatórias. O aspecto negativo aparece nas pesquisas que indicam o constante aumento do número de divórcios: separar ficou muito fácil; então, muitas vezes, ao primeiro sinal de que algo não vai bem o casal desiste da relação porque acredita que o importante é ser feliz, aqui e agora. A visão imediatista e descartável que tomou conta da sociedade permeia também as relações, afastando a idéia de se construir um casamento sólido que mesmo atravessando uma fase ruim pode sair fortalecido no futuro. O pensamento vigente é “se não estou feliz nesse casamento, parto para outro”. Quando o conflito conjugal é contínuo, há uma tendência em considerar o parceiro ou a parceira como responsável exclusivo pelos problemas vivenciados. Em outras palavras, quando os conflitos são freqüentes, “o outro sempre é o culpado”. Na maioria das vezes observa-se que os dois têm responsabilidade em relação às dificuldades e sofrimentos que o casal vivencia. Entretanto, enquanto a pessoa olha apenas o defeito do outro e entra na vitimização, fica paralisada e não faz algo que possa modificar o contexto – sempre espera que o outro faça. Por outro lado, quando a pessoa tem essa disponibilidade de olhar para si mesma e observar essas características pessoais que se repetem nas dificuldades atuais, fica muito mais fácil o trabalho porque ela assume a responsabilidade pessoal. Nem sempre assumir essa responsabilidade vai modificar o problema como um todo, mas é um passo fundamental na direção do equilíbrio. A terapia de casal é recomendada quando existe a motivação em superar as adversidades e construir uma nova relação com o mesmo cônjuge.

Trecho de entrevista com o Dr. Julio Peres concedida para Revista Malu